Slideshow Image 1 Slideshow Image 1 Slideshow Image 1

Capa

Revista Mensageiro - Novembro de 2018
Vol. 124
Nº 1365
Novembro de 2018
Assine a revista Mensageiro
Assine a revista Mensageiro

Palavra do Diretor Nacional:

A santidade de cada dia


O processo da santificação é exercício diário. Santo não nasce pronto e ninguém se torna santo de um dia para o outro e nem depois que morre. A santidade é caminho percorrido, é compromisso assumido, é amor doado, é saída de si. Há tantos santos e santas que estão bem próximos de nós.

No interior do Ceará viveu o Pe. Alfredinho Kunz, nascido na Suíça. Depois de passar cinco anos num campo de concentração na Áustria, ao lado de prisioneiros soviéticos, durante a Segunda Guerra, veio para o Brasil e foi morar no Nordeste, vivendo em extrema pobreza, exercendo sua missão e trabalhando com os mais pobres, com as prostitutas e os flagelados da seca. Depois veio para Santo André, SP, onde viveu com os moradores de rua e com os pobres na favela. Era um homem simples, acolhia a todos. Sentava na rua para brincar com as crianças. Morreu no meio do povo da rua.

A Beata Ir. Dulce da Bahia foi capaz de mover muita gente para o lado das pessoas deixadas à margem, sobretudo crianças e doentes. Acolhia-os, ela mesma, na porta do Hospital Santo Antônio. Todas as manhãs fazia questão de visitar cada ala do Hospital e falava com um, tocava outro, consolava um aflito, dava a benção, rezava etc. Não é à toa que é chamada "o anjo bom da Bahia". Sua santidade exalava em gestos simples de amor e cuidado com os outros.

Dom Luciano Mendes de Almeida, cujo processo para a beatificação acaba de ser concluído e enviado a Roma, era um pastor atento às necessidades das pessoas. Cuidou de tanta gente pobre e das crianças da região Belém, em São Paulo! Em Mariana, MG, saía nas noites frias para dar comida e agasalhar o povo que vivia nas ruas. Sempre atento, sua palavra de ordem era "em que posso servir?".

Margarida Maria Alves, uma camponesa paraibana, líder sindical, trabalhava de sol a sol nas fazendas de cana. Vivia preocupada com o bem dos trabalhadores que com ela sofriam os maus-tratos e o pouco salário. Morreu mártir por querer organizar o povo a lutar por seus direitos.

Floripes Dornelas de Jesus, ou Lola, viveu em Rio Pomba, MG, e se tornou famosa por viver durante cerca de 60 anos de sua vida alimentando-se apenas da comunhão eucarística. Ficou imobilizada dos membros inferiores do corpo em virtude da queda de uma jabuticabeira, com a idade aproximada de 23 anos. Lola transmitia conforto, fortaleza e serenidade, deixando gravado nos corações das pessoas que a visitavam o traço vivo de fé inabalável no Sagrado Coração de Jesus.

O céu está repleto de gente boa que passou pela terra fazendo o bem. Aprenderam de Jesus a não ficarem presas ao seu próprio querer e interesse. Aprenderam a sair de si, ir ao encontro, cuidar das feridas, amenizar choros e dores da humanidade que sofre, a espalhar a semente da esperança por onde passam.

Há certas pessoas que agradecemos em nossas preces por coisas que apreciamos tanto, mas, por mais que tentemos, às vezes não conseguimos dizer as palavras certas que expressariam tudo o que queremos dizer. São pessoas que sempre saem de seu caminho para ir aonde é preciso, mostrando compreensão, aliviando o peso dos problemas alheios e ajudando com todo o coração.

Palavras não bastam para agradecer por tanto amor oferecido. O Apostolado da Oração é um caminho espiritual que a Igreja coloca à disposição dos cristãos para ajudá-los a ser amigos e apóstolos de Jesus na vida diária, assumindo a sua vocação missionária, num processo de aliança, consagração e compromisso de amor com Cristo que deu a vida pela salvação da humanidade.

A santidade é dar-se conta do excesso de amor de Deus por nós. Ele continua habitando nosso coração e fazendo em nós a sua morada. Como nos recorda São Paulo, "já não sou eu que vivo, mas é Cristo que vive em mim". Somos chamados a uma identificação total com Cristo em corpo, alma e espírito. Isso é o que pedimos diariamente, com coração humilde, sabendo que alcançar essa graça nunca será fruto apenas de nossos esforços. A identificação com Cristo nos é dada como graça. É Ele que vai nos moldando interiormente segundo o seu Coração para que possamos ser e agir como Ele.

Pe. Eliomar Ribeiro, SJ, Diretor Nacional da Rede Mundial de Oração do Papa (Apostolado da Oração e MEJ), e Diretor de Redação da Revista Mensageiro do Coração de Jesus
MENSAGEIRO DO CORAÇÃO DE JESUS é uma publicação de Edições Loyola - Rua 1822 nº 341 - São Paulo - SP - Tel.: 11 3385-8555 | 2063-4275 | 3385-8501
2018 Todos os direitos reservados.